União de Freguesias de Castrelos e Carrazedo

Trata-se de uma freguesia da orla ocidental concelhia, distando uma dezena e meia de quilómetros da Cidade de Bragança, que lhe fica ao nascente com ligação rodoviária através da EN 103).
Castrelos abarca um território de mediana extensão (dilatando-se no sentido este-oeste e ”penetrando”, em espécie de enclave, pelo vizinho município de Vinhas, que lhe fica ao poente).

Ostentando um relevo montanhoso e acidentado, esta área paroquial é cortada e banhada, no flanco noroeste, por um pequeno curso de água, rio Baceiro. A merecer proteção e recuperação estão os diversos moinhos de água, de fruste mas pitoresca arquitetura, que por estas bandas se
podem ainda apreciar.

Para além de um interessante património natural e paisagístico, Castrelos detém igualmente uma considerável riqueza, esta ao nível do subsolo – no chamado Cabeço de Mideiros registar-se-á uma mina de crómio.

Os recursos piscícolas (trutas sobretudo) e cinegéticos (perdizes, coelhos e mesmo alguma caça maior) são outros tantos valores a considerar (e a gerir convenientemente, note-se). Também aqui o decréscimo populacional se tem feito sentir seriamente, pois nos dois principais lugares da
freguesia – Castelos e Conlelas o número total de residentes não alcançará ainda as três centenas (273 em 1991), quando em meados do século se contava quase meio milhar (497, mais precisamente).

Amanhando denodadamente algumas magras courelas e pastoreando com milenar paciência os sue gados, estes parcos mas residentes habitantes de Castrelos vão perpetuando uma herança de antanho, que têm por valiosa e inalienável.
Caracteristicamente planáltica, esta freguesia regista uma altitude média acima dos 750 metros, surgindo aqui e ali coroada por altaneiros cabeços, alguns deles (pelo menos dois) indiciando ocupação castreja. Dessa circunstância provirá inclusivamente, a própria designação de
“Castrelos”.